O Storytelling na comunicação interna: Veja as dicas

“Eles têm que entender que…”. Nos últimos anos esta é a frase que mais tenho escutado ao conversar com líderes de empresas durante as entrevistas de diagnóstico de comunicação interna. Independentemente da faixa etária da liderança, o contexto é sempre muito parecido. A eles lhes parece evidente que a sua equipe, uma vez participando diariamente dos desafios da operação, tenha a obrigação de compreender determinados conceitos e, por esta razão, deveria mudar a sua postura profissional.

Trata-se aqui de um exemplo clássico de “ruído na comunicação”.

Então, como os líderes podem agir para prevenir situações como estas? Primeiramente, é necessário refletir sobre o processo de comunicação. Imagine que ele se assemelha muito com um brinquedo de Lego. Em toda a caixa existe a figura do que se pode construir com as peças. Mas cada peça isolada não traz em si aquilo que pode ser construído. Ou seja, é preciso se ter um mapa, para que a pessoa que esteja disposta a montar a figura saiba o que está construindo e tenha uma perspectiva geral. No plano de negócios acontece o mesmo e na comunicação surge algo parecido. Se não existir um mapa da comunicação interna, não há como se montar o “lego do posicionamento estratégico” com peças de mensagens soltas.

Mas como efetivamente o líder pode construir um mapa para que a equipe atue de acordo com o “Lego” do posicionamento estratégico?

Peça 1: É importante definir o posicionamento. Quais são os temas-chave que a empresa vai trabalhar para o alinhamento da equipe no sentido de capacitá-la para, definir de modo consistente e coerente o próprio negócio.

Peça 2: Identificar os conceitos existentes. Você tem certeza de que todos na empresa a definem da mesma forma? Todos usam os mesmos dados? Há um alinhamento de discurso entre gestão e equipe e entre equipe e as mensagens passadas para o público externo?

Peça 3: Avaliar a eficácia dos canais de comunicação interna. Quais são os canais de comunicação com a equipe? Como são usados para transmitir informações institucionais e estratégicas?

Peça 4: Pesquise quais são os valores dos indivíduos da sua equipe. Tenha um mapa de “quem é quem”. Segundo a própria Teoria da Comunicação, toda mensagem deve ser “montada” na característica do receptor, ou seja, de cada um na equipe. E a fonte (a liderança) é a responsável única pela emissão da mensagem. Sendo assim, é crucial garantir que as mensagens sejam emitidas na característica da sua equipe a partir do que é comum a maioria dos membros.

Peça 5: É a aplicação do Storytelling para o engajamento. Cada vez mais os recursos do “contador de histórias” se mostram eficazes no ambiente profissional. Usar modos criativos de enredo, imagens e depoimentos na comunicação interna fixam dados e oferecem modelos de admiração. Diria que essa forma de demonstrar o posicionamento estratégico, além de informar a equipe, permite o engajamento de todos na construção desta jornada.

Sheila Magri – Jornalista

Consultora de Comunicação na Macob Communications